terça-feira, 20 de outubro de 2009

José Saramago e Penafiel



Saramago anda voltado pra Deus e de costas prós homens criadores e aduladores. Até aí, nada contra.
Que questione a Igreja e os seus valores anacrónicos, idém aspas, agora que volte a virar costas a um país que o idolatre, não!!! Sempre foi tido como o que desacata a ordem do pensamento, o que obriga a reflectir. Mas quando mexe com uma maioria chamada religiosa católica, não estará a tirar sarna pra se coçar?
O homem sempre precisou de deuses que o salvassem da escuridão, do fim, do grand finalle, da eternidade. Com os deuses, o homem agigantou-se, rumo à imortalidade. Não a conseguiu mas enquanto põe a ciência na procura do elixir, distrai deus e o homem, responsável pela criação do conceito "panista". Afinal, somos todos saramaguistas, nietzschianos, um pouco crentes, um pouco loucos. E viver o medo da morte quando a temos próxima e, ainda assim questionar o all mighty que aplaca esse medo é digno de coragem. Saramago é corajoso, enfrentando fantasmas que arrastamos connosco desde sempre. Podemos nunca virar imortais mas Saramago já conseguiu esse feito. Aclamado em Penafiel pelas suas obras, Caim sairá daqui mais imaculado que os Deuses todos. Quem, de entre nós, nunca tenha sido Caim, atire a primeira pedra.
Estou em pulgas pra ler o livro...

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

David L. Rosenhan

No vídeo acima, aparecem também vídeos relacionados, para os curiosos, em ver a experiência por partes. Aconselho aos mais perfeccionistas o uso do Torrent, pois esta experiência foi postada pela BBC na integra, dividida em dois capítulos, cada um de 60 minutos. Vale a pena ver. Sobretudo, para os da minha área. Esta é uma experiência que teve como estímulo o estudo de David L. Rosenhan: On being sane on insane places (na faculdade este estudo obrigou-nos a novos estudos consonantes com este), quando coloca um grupo de individuos a simular patologias diversas num hospital psiquiátrico com equipas de psiquiatras e psicoterapeutas com larga experiência de carreira e, a questão dos falsos positivos e falsos negativos vem confirmar a ilusória barreira que divide os sanos dos outros. Ninguém está a salvo. Aqui, nesta experiência, 10 sujeitos são colocados no castelo, sendo avaliados e estudados por 3 psiquiatras e psicólogos conceituados no mundo inteiro. 5 dos pacientes foram previamente diagnosticados com patologias como desordem obsessiva compulsiva, anorexia nervosa, perturbação bipolar, ansiedade generalizada...os outros cinco não possuem diagnóstico absolutamente nenhum, correndo o risco de sair em de lá com rótulo. São-lhes feitos testes físicos e mentais. E os resultados, é melhor serem vistos na íntegra por vocês.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Não é mania de perseguição

do nosso Presidente da República. Não é!Podemos afirmar com clareza, diante dos factos: Houve escutas no Palácio de Belém. Que os nossos olhinhos, estes que a terra há-de comer, viram!